O Caminho da Otimização da Infra-Estrutura da Microsoft

Olá pessoal,

Tendo em vista cituações de um ambiente de gerenciamento de T.I, temos vários fatores que vão dizer se o nosso cenário de infra-estrutura será bem sucedido ou não, dentre esses fatores o modo como vemos hoje, e como vemos amanhã a nossa infra-estrutura, é um fator decisivo para o sucesso ou fracasso e um momento crítico, por exemplo: a implementação do parque de servidores, a gerencia na demanda do help-desk pelo pessoal de T.I, o gerenciamento de serviços, enfim todo um conjunto que irá inpactar diretamente nos processo de negócios da empresa.

Por isso a Microsoft criou um modelo a seguir de como otmizar a infra-estrutura afim de minimizar os problemas com a infra-estrutura de T.I.

Modelo de otmização de infra-estrutura em ação:

O Modelo de Otimização de Infra-Estrutura da Microsoft foi desenvolvido com as melhores práticas industriais e com as próprias experiências da Microsoft com seus clientes empresários. Ele é baseado no Modelo de Maturidade de Infra-Estrutura do Gartner e no Modelo de Maturidade de Arquitetura do MIT. O objetivo principal da Microsoft ao criar o Modelo de Otimização de Infra-Estrutura era desenvolver um modo simples de usar uma estrutura de trabalho de maturidade que fosse flexível e pudesse ser facilmente usada como a referência de nível para a capacidade técnica e o valor comercial.
O primeiro passo para usá-lo é avaliar em que nível de maturidade você está dentro do modelo. Uma vez que o nível atual de maturidade tenha sido estabelecido, o próximo passo é usar o modelo para desenvolver um plano a respeito de como progredir através de cada nível de maturidade, a fim de alcançar a meta necessária para obter o máximo benefício nos negócios.

Modelo de Otimização de Infra-Estrutura

Básica: “Nós Combatemos Incêndios”

A infra-estrutura Básica de TI se caracteriza por processos manuais e localizados; mínimo controle central; diretrizes e padrões inexistentes ou mal executados de TI em questões como segurança, backup, gerenciamento e implantação de imagens, além de compatibilidade e outras práticas comuns de TI. Há uma falta generalizada de conhecimentos a respeito dos detalhes da infra-estrutura que existe no momento ou sobre quais táticas terão o maior impacto para aperfeiçoá-la. A saúde geral das aplicações e dos serviços é desconhecida, devido a uma falta de ferramentas e recursos. Não há nenhum veículo para compartilhar conhecimentos acumulados através da TI. Os clientes com infra-estrutura Básica acham seus ambientes extremamente difíceis de controlar, têm custos muito altos com gerenciamento de servidores e estações de trabalho, são geralmente muito reativos a ameaças de segurança, e têm muito pouco impacto positivo na habilidade da empresa em beneficiar-se da TI. Normalmente, todas as atualizações, implantações de software e serviços são realizados com alto envolvimento e custos elevados.

Padronizada: “Estamos Ganhando Controle”

A infra-estrutura Padronizada introduz controles através do uso de padrões e diretrizes para gerenciar estações de trabalho e servidores; como as máquinas são introduzidas na rede; e o uso dos serviços de diretório do Active Directory para gerenciar recursos, diretrizes de segurança, e controle de acesso. Os clientes no estado Padronizado perceberam o valor de padrões básicos e algumas diretrizes, porém ainda são bastante reativos. Geralmente, todas as atualizações, implantações de software, e serviços de estação de trabalho são realizados com envolvimento médio e custo de médio a alto. Entretanto, eles têm um inventário razoável de hardware e software e estão começando a gerenciar as licenças. As medidas de segurança são melhoradas com um perímetro “locked down” (congelado), mas a segurança interna pode ainda ser um risco.

Os clientes se beneficiam ao mudar desse estado Padronizado para um Racionalizado com sua infra-estrutura, pois ganham um controle substancial sobre esta e têm diretrizes e processos pró-ativos que os preparam para o espectro de circunstâncias, de oportunidades a catástrofes. O gerenciamento de serviços é um conceito e a organização está tomando providências para perceber onde deve implementá-lo. A tecnologia também está começando a desempenhar um papel muito maior nessa mudança para uma infra-estrutura Racionalizada, tornando-se uma vantagem nos negócios e uma aliada, em vez de um fardo.

Racionalizada: “Nós Facilitamos Negócios”

A infra-estrutura Racionalizada é aquela em que os custos envolvidos no gerenciamento de estações de trabalho e servidores estão mais baixos, e os processos e diretrizes amadureceram para começar a desempenhar um papel importante no suporte e expansão da empresa. A segurança é bastante pró-ativa, além de rápida e controlada na resposta a ameaças e desafios.

O uso da implantação de “envolvimento zero” reduz custos, tempo e desafios técnicos. O número de imagens é mínimo e o processo de gerenciamento das estações de trabalho tem um envolvimento muito baixo. Eles têm um inventário claro de hardware e software e compram apenas as licenças e os computadores que precisam.

A segurança é extremamente pró-ativa, com rigorosas diretrizes e controle desde a estação de trabalho até o servidor, o firewall e o extranet.

Os clientes se beneficiam, em um nível comercial, mudando desse estado Racionalizado para um Dinâmico. Os benefícios de implementar tecnologias novas ou alternativas para enfrentar um desafio ou uma oportunidade são muito mais importantes que os custos incrementais. O gerenciamento de serviços é executado em alguns serviços, com a organização tomando medidas para executar de modo mais amplo, em toda a TI. Os clientes que contemplam o valor do estado Dinâmico estão geralmente buscando uma infra-estrutura de TI que proporcione vantagens na empresa.

Dinâmica: “Somos Um Trunfo Estratégico”

Os clientes que têm uma infra-estrutura Dinâmica estão completamente cientes do valor estratégico que sua infra-estrutura proporciona ao ajudá-los a administrar seus negócios com eficiência e à frente dos concorrentes. Os custos são totalmente controlados. A integração entre usuários e dados, estações de trabalho e servidores, e a colaboração é forte entre usuários e departamentos, e os usuários móveis têm níveis quase “on site” de serviço e capacidades, independentemente da localização.

Os processos são totalmente automatizados, freqüentemente incorporados à própria tecnologia, o que permite à TI ser alinhada e gerenciada de acordo com as necessidades da empresa. Investimentos adicionais em tecnologia rendem benefícios mensuráveis, específicos e rápidos para a empresa.

O uso de software de auto-abastecimento e de sistemas de quarentena, para garantir gerenciamento de atualizações e compatibilidade com as diretrizes de segurança estabelecidas, permite que a organização dinâmica automatize processos e assim melhore a confiabilidade, reduza custos e aumente níveis de serviços.

Os clientes se beneficiam ao aumentar a porcentagem Dinâmica de sua infra-estrutura, alcançando níveis elevados de serviço, vantagens competitivas e comparativas, e enfrentando maiores desafios de negócios. O gerenciamento é executado em todos os serviços essenciais, com acordos de níveis de serviço e revisões operacionais estabelecidos.

Nos próximos posts, estarei mostrando como identificar onde se encontra nossa infra-estrutura e como podemos migrar para um modelo mais avançado de forma padronizada. 

Até a próxima.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s